Amor inventado - Entre Sujeitos e Verbos

20/08/2012

Amor inventado

Até onde realmente amamos alguém ou inventamos amor? Já disse Iolanda Valentim: "preciso precisar de você porque tenho medo de não precisar de nada".

Na maioria das vezes é assim. Tem gente que simplesmente não sabe viver sem pensar em ter um amor. Em acordar pra ver determinada pessoa. Que muitas vezes desconhece sua existência.

Eu sou um pouco assim. Ou me tornei um pouco assim com o passar do tempo. Invento amor aqui e ali. Quem sabe dá certo, não é? Disse pra mim mesma que pararia de fazer isso. Mas dói pensar que não tenho ninguém pra esperar um sms de bom dia. Dói saber que não tem ninguém querendo saber o que fiz hoje. Dói saber que não tem ninguém me esperando chegar pra simplesmente me ver sorrir. Dói.

Mas se é assim, tenho que aceitar. Prometo que vou tentar. Mas também tenho medo de que isso me deixe mais fria. Amo ser do jeito que sou, meio exagerada até. Cheia de dramas. Não quero receber uma mensagem de um amigo um dia qualquer me desejando bom dia e pensar que não vale a pena responder. Não quero que seja assim.

Mas não vou imaginar mais o sentimento dos outros. Quem quiser chegar até mim e falar, que venha. Quem quiser um ombro, que venha. Quem quiser abraços, que venha. Ando tão precisada quanto você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Siga no Facebook

Siga no Instagram

A partir do dia 03/08/2013, as fotos são de autoria do autor do post, quando não indicado o contrário.
Antes dessa data, as fotos utilizadas aqui no blog foram encontradas na internet, quando não indicado o contrário. Se você é ou conhece o autor, informe nos comentários e colocarei os devidos créditos :)